Quebra de caixa: o que é? Vale a pena? Entenda agora!

Quebra de caixa: o que é? Vale a pena? Entenda agora!

Quebra de caixa: entenda sua função e como calcular

Compreender as particularidades que envolvem diferentes profissões é um dos principais requisitos de gestores assertivos. E, dentre as temáticas que mais despertam dúvidas, está a de quebra de caixa.

Há duas compreensões gerais para esse termo, em que uma se encaixa enquanto a bonificação a ser paga aos colaboradores de frente de caixa e outra no sentido de ser uma discrepância entre os cálculos de registros de entrada e saída de valores.

Se você quer saber mais sobre o que é quebra de caixa, como funciona, quais os valores considerados, como calculá-los e qual a sua importância, continue a leitura e acompanhe aqui no blog SG Sistemas!

O que é quebra de caixa?

A quebra de caixa é utilizada como um termo de recompensa. Refere-se ao pagamento adicional realizado para funcionários que desempenham a função de frente de caixa e que, por conta dessa especificidade, precisam lidar com o manuseio diário de altas quantias.

Esse valor a ser complementado está relacionado aos possíveis riscos dessa atividade, uma vez que o trabalhador acaba estando vulnerável a erros e falhas que, ao ocorrerem, podem comprometer o registro e saúde financeira de um supermercado.

Portanto, essa gratificação tem o intuito de incentivar e fomentar uma atuação ainda mais precisa e qualificada por parte dos caixas, estimulando uma organização e manutenção que não abram margem para possíveis desencontros de contabilização.

Contudo, essa não é uma ação compreendida como obrigatória perante a lei, levando a sua implementação a ser realizada por meio de concordâncias e acordos entre gestores e colaboradores.

Como funciona a quebra de caixa?

Por não ser regido por uma legislação específica, o funcionamento da quebra de caixa pode despertar algumas dúvidas a respeito de suas aplicações práticas.

O valor a ser fixado passa a se integrar ao vencimento total do operador de caixa, constando, portanto, em seu registro profissional. Dessa maneira, esse adicional é considerado na soma da contabilidade dos benefícios de férias, 13º salário, adicionais de horas extras e quaisquer outros tópicos incorporados em sua folha de pagamento.

Com seu registro em carteira, pode ser detalhado ainda no campo de anotações. Abaixo, você verá alguns dos principais questionamentos e conheça suas resoluções.

Quando devo pagar a quebra de caixa?

Ao se tratar de um pagamento realizado de maneira voluntária, a quebra de caixa pode ser aplicada mediante o desejo do próprio contratante, por meio de demandas e acordos realizados de forma coletiva com os funcionários de caixa ou por solicitações descritas no regimento interno da organização.

Posso realizar o pagamento de forma proporcional?

Essa especificidade precisa estar previamente descrita e detalhada no acordo firmado com os colaboradores, já que, de maneira geral, esse pagamento costuma ocorrer com base em uma porcentagem fixa, ou seja, não apresentando variações conforme jornadas, escalas ou outras questões.

Quando o funcionário tem direito a quebra de caixa?

Todos os colaboradores que exerçam atividades de caixa e que desempenhem tarefas vinculadas com a manipulação monetária, ainda que sob outra denominação, estão aptos a receberem esse adicional.

Essa aplicação pode ser feita não somente para empresas como supermercados, mas também outros tipos de organizações que possuam essa demanda. Isso porque, na prática, a pressão em lidar com valores expressivos acaba demandando um nível maior de exigência e dedicação.

Qual é o valor da quebra de caixa?

Não existe um valor fixo estipulado para esse cálculo. Essa definição partirá das tratativas que tenham ocorrido entre empregador e colaboradores, não existindo um limite mínimo ou máximo a ser colocado.

O que pode auxiliar você, gestor, a pensar nessa composição, é considerar decisões prévias da área, convenções já vigentes em outros setores ou até considerações já adotadas pelo Ministério do Trabalho, que chegou a indicar a taxação de cerca de 10% a partir do salário base a ser recolhido pelo operador.

E, uma vez que seja decidida, precisa ser respeitada e aplicada conforme as determinações em contrato.

Leia mais: Gestão orçamentária: como executar e otimizar seus processos

quak é o valor da quebra de caixa

Como calcular a quebra de caixa?

A apuração do cálculo da quebra de caixa vai depender do que foi estipulado entre as partes. Alguns empreendimentos optam por fazer com base no salário, selecionando um montante fixo de cerca de 10%.

Assim, ao imaginarmos um vencimento inicial de R$ 2.000,00, o valor de quebra pode ser estabelecido com base nessa porcentagem, gerando uma gratificação de R$ 200,00, por exemplo. Ou, ainda nesse mesmo cenário, ser cravado uma bonificação de R$ 150,00 de maneira fixa.

Uma sinalização importante é para que assim que os valores forem estabelecidos, sejam regularizados mediante a assinatura de contrato, com claras especificações também a respeito das funções exercidas pelos colaboradores que irão recebê-lo.

Qual a importância da quebra de caixa?

A eficiência de uma gestão está intimamente conectada à capacidade de valorização de seus funcionários e também da manutenção de uma condução assertiva dos valores recebidos e fornecidos na frente de caixa.

Portanto, para um supermercado, esse pagamento se mostra enquanto um diferencial que caminha para valorização e reconhecimento da importância e relevância do trabalho daqueles que realizam a gestão dos valores na rotina do negócio.

Entrando como um benefício que incentiva que essas atividades sejam exercidas com cuidado e atenção, resulta em um impulsionamento para que possíveis falhas sejam atenuadas, garantindo a saúde do capital da organização.

Aos funcionários, pode significar ainda uma proteção, que irá ser recolhida por eles sempre que a avaliação entre soma e retirada de valores se dê sem intercorrências ou discrepâncias.

Para ler depois: Como a gestão do Fluxo de Caixa pode ajudar o teu negócio?

O outro sentido da quebra de caixa

Conforme apontamos no início deste post, há duas possibilidades de interpretação para o termo quebra de caixa.

Como muitas pessoas acabam utilizando também essa outra compreensão, iremos aplicá-la nesse momento como sinônimo para a identificação de discrepâncias entre a soma dos valores registrados e, nesses casos, deve ser evitada.

Dessa forma, o intuito agora não é o de não realizar o pagamento necessário ao colaborador, mas sim de garantir que a contabilidade esteja correta e assertiva, viabilizando que ele receba o valor previamente combinado.

Para compreender essa questão com mais propriedade, precisamos ainda sinalizar um importante apontamento:

Sempre que houver uma quebra de caixa, ou seja, sempre que ocorrer uma diferença entre os valores contabilizados, há um prejuízo.

Se o montante final é maior do que o que foi registrado, a perda ficou com o seu consumidor. Mas, se o cálculo apontar para o contrário dessa situação, quem está em desvantagem é o seu supermercado.

Como evitar que a quebra de caixa aconteça?

Existem algumas ações que precisam ser tomadas para ocorrer uma garantia de boa gestão. Confira:

  • Estabeleça um protocolo bem descrito e documentado sobre como deve ser feito a condução e gerenciamento de valores na frente de caixa. Assegurando, desta maneira, que todos os seus colaboradores mantenham um padrão de qualidade;

  • Faça capacitação dos operadores de caixa, para qualificá-los de maneira constante. Considere ainda se há orientações e instruções claras sobre como proceder diante de inconsistências ou possíveis ações para quando ocorrer algo fora da rotina determinada;

  • Instaure uma política de verificação permanente, que possibilite uma checagem precisa e programada, viabilizando a identificação de futuras ocorrências;

  • Adote um sistema de gerenciamento de dados que permita uma coleta otimizada de todas as informações, de modo a qualificar possíveis análises e estudos sobre os valores e registros.

Todas essas práticas possibilitam a você uma gestão otimizada e bem delineada, fazendo um bom uso da quebra de caixa e estabelecendo normas e direcionamentos que caminham para a manutenção da saúde financeira do seu negócio.

E se você tem interesse em continuar a acompanhar as principais informações a respeito de soluções administrativas e estratégias positivas para empresas e supermercados, continue acompanhando o blog da SG Sistemas.

Aproveite e confira ainda sobre sangria de caixa e como aplicá-la. Nos vemos no próximo post!

5/5 - (1 avaliações)

Roger Toshi

Roger Toshi, apaixonado por tecnologia aplicada ao varejo, é formado em Direito pela Unicesumar, com MBA em Gestão de Pessoas e Liderança pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Desde 2017 atua como gerente Administrativo e de Marketing da SG Sistemas.

Deixe um comentário