25

ago
2020
Capital de giro: tudo que você precisa saber

O capital de giro, isso é, os recursos financeiros necessários para manter as operações de uma empresa, é um recurso indispensável, sem o qual não é possível manter qualquer tipo de negócio sequer a curto prazo.

Entender a necessidade de um capital bem estruturado e sob controle efetivo da equipe gestora e do empreendedor é crucial para a manutenção de qualquer empreitada comercial, inclusive no ramo alimentício de supermercados e afins.

Então, você sabe como anda capital de giro do seu empreendimento? Para responder todas as dúvidas sobre o assunto, o blog da SG Sistemas preparou um conteúdo sobre a importância dos recursos financeiros para a gestão do seu negócio.

Acompanhe a leitura e entenda a diferença entre capital e patrimônio, a importância e os benefícios do capital para o seu empreendimento e algumas dicas selecionadas para ter uma visão ampla e estratégica recursos necessários. Vamos lá:

Dinheiro, capital e patrimônio: qual a diferença?

Antes de mais nada, é preciso solucionar um embaraço muito comum no meio empresarial – sobretudo nas empresas iniciantes: as diferenças entre os conceitos de capital, dinheiro e patrimônio.

É muito comum que os termos sejam compreendidos como sinônimos e, de uma certa forma, existe uma correlação entre eles. No entanto, nem todos os contextos comportam essa classificação e, por esse motivo, diferenciamos as ideias para que você entenda. Veja:

  • Dinheiro são os recursos financeiros em moeda vigente – real, dólar etc – tanto fisicamente, ou seja, em cédulas de dinheiro, ou virtualmente, em bancos, tesouros diretos, contas digitais etc;
  • Patrimônio são todos os bens, montantes, direitos e obrigações atribuídos a uma pessoa ou entidade;
  • O capital, por sua vez, compreende o montante correspondente aos recursos provenientes não só de uma pessoa, como também aqueles provenientes de terceiros. Por isso, o capital pode ser nominal, próprio ou de terceiros.

E o capital de giro, onde se enquadra nessa conceituação? Bem, em termos gerais, o capital de giro compreende o somatório de todos os bens e recursos financeiros em produtos de estoque, investimentos em ações, montantes em contas bancárias, pagamentos em aberto e mais.

Ou seja, tudo o que pode ser facilmente vendido caso haja a necessidade de quitação de alguma dívida. Em termos contábeis, o capital de giro líquido (CGL) pode ser calculado de acordo com a seguinte fórmula:

CGL = AC - PC

Na qual AC significa o capital ativo circulante – o total em recursos líquidos disponíveis ou passíveis de conversão; PC é o passivo circulante – também conhecido como despesas fixas (ou previsíveis).

As vantagens de se ter um capital circulante

Que a presença de um capital circulante – ou capital de trabalho – é vital para a saúde de um negócio você já sabe. Mas afinal, qual é, de fato, a importância desse recurso para os processos de uma empresa?

Será que é possível sobreviver sem ter um capital de trabalho bem montado e controlado? Já te adiantamos que a resposta é não e, também, listamos as principais vantagens que o capital de giro proporciona ao seu negócio:

  • A possibilidade de adimplência e quitação de dívidas não-programadas (e previstas também), obrigações e contas;
  • Faz com que seja possível a oferta de mais opções de venda a prazo ao cliente;
  • Mantém a saúde financeira do empreendimento;
  • Assegura o pagamento dos abastecedores e, consequentemente, o mantenimento dos estoques;

Aliás, aqui no blog temos uma série de posts dedicados à gestão de estoque. Para começar, sugerimos a leitura do post “Estoque sazonal: qual a melhor forma de fazer a gestão?”, para entender mais sobre o assunto!

Dicas para administrar o seu capital circulante

Agora que você já sabe tudo sobre como funciona o capital de trabalho de uma empresa, é necessário aprender, também, como administrar os recursos de forma coerente, regrada e assertiva.

Para isso, o blog da SG listou algumas dicas essenciais para você, gestor e empreendedor, que quer prosperar nos negócios e evitar a inadimplência e até mesmo a falência. Dê uma olhada:

1. Mantenha o foco na gestão de estoque

No caso dos comércios atacadistas e varejistas, uma grande parte do capital de giro liquidável está contido no estoque. Por isso, é fundamental que a equipe gestora esteja atenta ao controle de estoque de forma estratégica e eficiente.

Nesse sentido, a prevenção de perdas por meio de inventários e um controle rígido da entrada e saída de mercadorias eleva o aproveitamento de produtos e garante um montante significativamente maior.

2. Identifique e corte gastos

O corte de despesas é uma necessidade geral em todos os tipos de comércio. Trata-se de uma maneira de controlar o orçamento e evitar gastos desnecessários. Por esse motivo, muita atenção ao fluxo de caixa e ao balanço da empresa.

3. Disciplina!

O capital de giro tem a função principal de cobrir as despesas necessárias em um determinado período ou mês. Isso não significa, porém, que o montante retirado não precise ser reposto uma vez que haja dinheiro suficiente em caixa – inclusive, esse é um dos grandes motivos de falência, a não-reposição disciplinada dos recursos disponíveis.

4. Negocie com fornecedores e clientes

Para não precisar deduzir o capital de giro para o pagamento de fornecedores, o ideal é que você saiba negociar os gastos em condições que sejam mais confortáveis, tais como prazos estendido, descontos à vista e semelhantes.

Ao mesmo tempo em que o capital circulante possibilita prazos de pagamento mais longos ao cliente, o ideal é que ele seja o menor possível – uma vez que as contas a receber pesam no montante capital final.

5. Considere um empréstimo

Por fim, um possível empréstimo serve para duas situações: adiantar pagamentos a serem recebidos e em casos de necessidade extrema. No entanto, tenha em mente as taxas de juros, principal fator a ser considerado antes da decisão final.

Não recorra a essa solução caso não haja perspectivas futuras de quitação. Caso opte por fazer a negociação, pesquise antecipadamente as instituições com as melhores condições e que oferecem benefícios no caso de pagamento adiantado (caso o empréstimo seja para fins de antecipação monetária).

Com essas dicas, o capital de giro da sua empresa tem tudo para decolar! Agora, que tal saber tudo sobre precificação e descobrir como aproveitar ao máximo o seu estoque? Para mais conteúdos como esse, assine nossa newsletter e fique por dentro de todas as nossas atualizações! Até mais!

  • Tags: