Guia para Supermercados: Tudo sobre o fiscal de prevenção de perdas

Guia para Supermercados: Tudo sobre o fiscal de prevenção de perdas

O fiscal de prevenção de perdas é um profissional que cumpre um papel essencial em supermercados, hipermercados e atacarejos. Esses estabelecimentos estão todos sujeitos a perdas, furtos e descarte irregular de seus produtos, que podem significar uma boa parte de seu faturamento. 

É o que aponta uma pesquisa realizada pela Associação Brasileira de Supermercados (ABRAS), que evidencia a perda de 2% no faturamento bruto anual de supermercados causada por esses problemas. Até mesmo as lojas de bairro estão sujeitas a essas situações, inclusive com perdas maiores. 

Por esse motivo, investir em um profissional que tenha como objetivo principal reduzir essas baixas no faturamento do mercado é extremamente necessário. Afinal, prevenir que 2% do seu faturamento anual vá para o ralo é uma ideia interessante para qualquer negócio, você não acha? 

Para te ajudar com esse aspecto, criamos este guia completo para entender mais sobre o fiscal de prevenção de perdas. Continue a leitura e confira o conteúdo que preparamos para você que mostra:

  • o que é um fiscal de prevenção de perdas e o que ele faz;
  • quais perdas podem ser evitadas;
  • as funções práticas de um fiscal dentro do supermercado;
  • os benefícios de investir nesse profissional;
  • e dicas para ser um bom fiscal de prevenção de perdas. 

Se interessou? Então não vamos mais perder tempo e seguir para esse conteúdo rico: 

O que é um fiscal de prevenção de perdas e o que ele faz

O fiscal de prevenção de perdas é um dos membros da equipe de um supermercado, ou loja semelhante, responsável por evitar que perdas ou furtos aconteçam na rotina da empresa. Para tanto, ele é encarregado de diferentes tarefas, como:

  • fiscalizar a entrada e saída de clientes na loja;
  • fiscalizar os próprios funcionários;
  • auditorias no recebimento de mercadorias dos fornecedores;
  • revisão das mercadorias que são mandadas para o descarte;
  • criação de soluções para o reaproveitamento de produtos danificados. 

Com essas e outras ações, o fiscal de prevenção de perdas irá garantir que em todos os departamentos do mercado estão sendo bem cuidados, para evitar que perdas desnecessárias aconteçam diariamente. 

Embora, por exemplo, um vidro de azeite que se quebra em uma tarde qualquer pareça ser insignificante por conta do seu valor, quando colocamos na ponta do lápis ao fim de cada mês, toda perda importa. Olhando para esse tipo de evento, o departamento de redução de perdas de um supermercado poderá definir diferentes estratégias que impactarão no resultado final da empresa. 

tudo sobre o fiscal de prevenção de perdas

As diferentes perdas que podem ser evitadas

Falamos de um vidro que cai da prateleira e se quebra no mercado, mas esse não é o único tipo de perda que pode acontecer dentro das lojas. Na rotina da empresa, existem inúmeras situações que significam perdas de faturamento para a organização. 

Com isso em mente, um dos primeiros papéis do fiscal de prevenção de perdas é mapear e ter controle dessas diferentes situações. Sabendo quais são as perdas que acontecem rotineiramente, é fácil definir ações que evitem que elas aconteçam. 

De modo geral, são elas:

Quebras

Danos irreparáveis que tornam o produto impróprio para a venda, como o nosso exemplo do vidro de azeite que foi derrubado de sua gôndola. Normalmente, a quebra é ocasionada pelo manejo inadequado das mercadorias e isso pode acontecer tanto na frente de loja, pelos próprios clientes, ou em processos internos, como o recebimento e armazenamento das mercadorias, ou a reposição de prateleiras. 

Furtos

Infelizmente, qualquer estabelecimento está exposto ao risco de furtos. Isto é, quando uma pessoa esconde uma mercadoria consigo e sai da loja sem pagar, de maneira que ninguém perceba em primeiro momento. Engana-se quem pensa que essa prática é feita apenas por “clientes” mal intencionados – algumas vezes, os próprios funcionários podem estar fazendo isso. 

Produtos que atingem sua data de validade

Pela lei brasileira, produtos que ultrapassam a sua data de vencimento não podem ser comercializados. Portanto, é preciso estar sempre atento à disposição dessas mercadorias nas gôndolas, para garantir que não ocorra o acúmulo de produtos antigos. Afinal, logo que a data de validade for atingida, esse produto significará a perda de estoque

Produtos estragados

Não é somente quando a data de validade é atingida que uma mercadoria se expira e se torna imprópria para a venda. Em algumas situações, mesmo dentro de sua validade é possível perder produtos por deterioração. 

Um bom exemplo são laticínios, que se não forem bem refrigerados, podem estragar. Portanto, é importante ter um controle do armazenamento e garantir que seja feito de forma ideal para todos os produtos. 

Consumo dentro da loja

Alguns clientes podem manter um hábito prejudicial para os supermercados: consumir alimentos dentro da loja, no momento da compra, e descartar a embalagem antes de chegar ao caixa, deixando de pagar pelo que consumiu. É necessário policiar esse tipo de prática e garantir que não aconteça com frequência. 

Troca de embalagens

Outra prática desonesta que alguns clientes de supermercados podem manter é a de troca de embalagens. Imagine, como exemplo, um cliente que abra a embalagem de um sabonete valorizado e troque-o com outro de menor valor. No caixa, será registrado a venda de um sabonete x, quando na realidade a pessoa está levando desonestamente um produto mais caro sem pagar por ele. 

Erros na administração 

Um simples controle de estoque mal feito pode significar perdas imensas ao faturamento de um supermercado. Imagine que um lote de pacotes de feijão é recebido e, por descuido, não é registrado na planilha de controle. Esses pacotes ficam esquecidos por dias em algum canto do estoque e logo são deteriorados. 

Esse é apenas um exemplo de erros administrativos que podem causar perdas, pois existem outras possibilidades para além do controle de estoque como, por exemplo, a precificação indevida, a desorganização e processos manuais impróprios.

Ruptura de estoque

Uma perda que pouca gente lembra é a da ruptura de estoque. Temos um post completo em nosso blog que explica detalhadamente o que é e como evitar a ruptura de estoque

Basicamente é quando o cliente vai até a loja com a intenção de comprar alguma coisa e acaba não encontrando-a.

Isso pode acontecer tanto pela efetiva falta do produto em estoque, ou simplesmente por uma prateleira vazia, sem reposição no momento certo. Mesmo que de forma subjetiva, uma venda foi perdida pois a empresa não deu conta de atender as necessidades do cliente. Por isso, pode ser uma área de atuação do fiscal de prevenção de perdas também.

Funções de um fiscal de prevenção de perdas na prática

Agora que já entendemos a responsabilidade do profissional de prevenção de perdas e quais os diferentes eventos que ele pode atuar para mitigar seus impactos, fica a dúvida: o que ele faz na prática para prevenir essas perdas? 

No geral, é comum ver esses profissionais na maioria dos supermercados cumprindo tarefas como:

  • Acompanhamento do recebimento e registro de mercadorias;
  • Contagem de itens em estoque, principalmente os sem movimento;
  • Monitoramento da temperatura de geladeiras, balcões refrigerados e afins;
  • Orientação aos repositores de prateleira quanto à exposição dos itens próximos da data de validade;
  • Acompanhamento da limpeza de carnes e o descarte de ossos no açougue;
  • Orientação aos encarregados do setor de F.L.V. para o manuseio correto e o descarte de produtos impróprios no hortifruti;
  • Controle dos pedidos de troca ou devolução de mercadorias recebidas de forma indevida;
  • Identificação e impedimento de furtos junto à equipe de segurança; 
  • Definição de estratégias para evitar a perda de mercadorias, como a redução de preço dos itens próximos da data de vencimento;
  • Criação de treinamentos para conscientizar toda a equipe e criar uma cultura de prevenção de perdas; 
  • Acompanhamento das rotinas dos funcionários, como a entrada e a saída da loja e a utilização de senhas para acesso de sistemas protegidos.

Muita coisa, hein? Por isso, é comum ter todo um departamento de prevenção de perdas nas lojas, para além de apenas um funcionário. Acima, estão apenas alguns exemplos de tarefas realizadas no dia a dia. Cada empresa pode personalizar as funções de acordo com sua realidade. 

funções de um fiscal de prevenção

Os benefícios de investir em um fiscal de prevenção de perdas

É claro que eliminar todos os erros é o desejado por qualquer empresa, mas esse cenário quase nunca é atingido – alguns erros são inevitáveis. Ainda assim, investir em um fiscal de prevenção de perdas que diminua, por exemplo, 80% das perdas de seu supermercado é algo que faz uma grande diferença. 

Com essa margem de sucesso, a perda de seu faturamento anual pode decair dos 2% para apenas 0,004% ao ano, algo muito mais irrisório para seu negócio. Colocando na ponta do lápis, os custos com o investimento nesse profissional acabam se pagando pelas melhorias que ele implementa em seu negócio. 

Além da diferença no lucro, é evidente como um supermercado com práticas bem implementadas de prevenção de perdas acaba sendo mais organizado, bonito e preparado para receber os clientes. Isso impacta diretamente na satisfação dessas pessoas, que voltarão com mais frequência ao estabelecimento por sentir credibilidade do negócio. 

Como ser um bom fiscal de prevenção de perdas

Você é um fiscal de prevenção de perdas e quer ser melhor em sua profissão? Então saiba que está no caminho certo: procurar conteúdos e estudar sobre suas responsabilidades e maneiras de fazê-las ainda melhor é uma ótima forma de se aprimorar enquanto profissional. 

Especificamente sobre a área de prevenção de perdas, alguns conselhos que temos para você são:

  • Estude: o conhecimento especializado em áreas como administração, contabilidade, gestão de estoque e gerenciamento do varejo podem ser de grande ajuda na sua função. Por isso, você pode procurar graduações, pós-graduações ou cursos técnicos que te auxiliem a aumentar seu campo de conhecimento. 
  • Seja estratégico: é preciso de pensamento sistêmico e da proposta de soluções eficazes que gerem resultados em sua atuação. Por exemplo, identificar práticas que não estão demonstrando resultados e desenhar novas estratégias para reduzir as perdas. 
  • Desenvolva a sua liderança: para orientar os outros funcionários e guiá-los de forma assertiva quanto aos procedimentos que sua área definiu para a redução das perdas. 
  • Trabalhe com números: manter indicadores é essencial para demonstrar os avanços do seu trabalho. Por isso, mantenha registro quantitativo de seu trabalho, como o número de furtos evitados a cada mês, a porcentagem de quebras na loja ou a quantidade de alimentos em kg que foram evitados o desperdício. Com esses números em mãos, fica mais fácil transmitir para os superiores como o trabalho gera resultados no negócio.
  • Tenha um olhar aguçado: para identificar processos que podem ser melhorados mesmo quando tudo parece estar indo bem e também para implementar melhorias que otimizem ainda mais os resultados. 
  • Tenha visão holística da organização: é quase impossível se tornar especialista em todas as áreas do supermercado, mas só ter uma visão geral, entendendo os procedimentos de cada área e como eles se relacionam já é o suficiente para performar bem enquanto fiscal de prevenção de perdas. 

Além disso, é preciso ser criativo e implementar as melhores soluções para reduzir as perdas. Se precisar de ajuda com isso, pode continuar a leitura conferindo nossas dicas para fazer a prevenção de perdas no supermercado

Depois da leitura desse guia completo, ficou muito mais fácil entender o papel e as responsabilidades do fiscal, não é mesmo? Se quiser conferir mais conteúdos assim,que te ajudem nos negócios, volte sempre para o blog da SG Sistemas. Estamos semanalmente atualizando-o.

Até o próximo post! 

Roger Toshi

Roger Toshi, apaixonado por tecnologia aplicada ao varejo, é formado em Direito pela Unicesumar, com MBA em Gestão de Pessoas e Liderança pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Desde 2017 atua como gerente Administrativo e de Marketing da SG Sistemas.

Deixe um comentário