21

mai
2018
Como funciona o Autoatendimento em PDV? O que são os Self-Checkout?

Como funciona o Autoatendimento em PDV? O que são os Self-Checkout?

 

O modo de consumir tem acompanhado as mudanças na nossa sociedade.  O comportamento dos consumidores, nos últimos anos, tem apresentado alterações, principalmente com o avanço da internet. A crescente popularidade do e-commerce, as vendas realizadas pela internet, fazem com que as pessoas queiram, cada vez menos, sair de casa e enfrentar filas para comprarem seus produtos. Até mesmo no ramo de alimentação o e-commerce já é bastante utilizado. É nessa modalidade que os clientes efetuam seus pedidos por meio de aplicativos ou sites e tem sua entrega na porta de casa.

 

Contudo, tal realidade ainda não é máxima nos supermercados. Embora esse movimento de compra on-line já exista no Brasil, maior parte dos compradores ainda tem a cultura de escolher as suas mercadorias pessoalmente. Ainda é comum a necessidade de avaliar as opções de marcas, escolhendo os seus hortifrútis frescos, entre outros.

 

Por isso pensar em melhorar o atendimento para o cliente dentro do supermercado é necessidade dos supermercadistas, atualmente. Sabemos que as filas enormes nos supermercados é uma realidade, ainda mais em alguns dias da semana e determinados períodos do mês, quando o fluxo de pessoas é mais intenso.

 

Unindo as tecnologias e a antiga compra presencial, equipamentos conhecidos como Self-Checkout estão se tornando uma saída real para acabar com a perda de tempo que os clientes ainda têm com filas.

supermercado

Os Self-Checkouts são uma boa aposta no ramo dos supermercados

 

Os Self-Checkouts são terminais de autoatendimento para que o próprio cliente possa prestar contas dos produtos escolhidos. Nesse equipamento ele pode fazer a leitura dos preços e efetuar o pagamento logo em seguida. Essa ação, além de agilizar o seu período de compra dentro do mercado, reduz as longas filas - consideradas a campeã no quesito reclamações dos clientes que frequentam o supermercado.

 

Por isso, o supermercadista que apostar no autoatendimento, sairá na frente e proporcionará uma nova opção para atender o consumidor. Isto é, dará a possibilidade do cliente passar os produtos por um terminal de vendas específico, realizando o pagamento e saindo da loja rapidamente, sem intervenções, gastando até 30% a menos no tempo em relação aos PDVs tradicionais. Isso traz a possibilidade de gerenciar melhor o material humano, em comparação ao modelo tradicional. Exemplificando, é possível colocar três terminais Self-Checkouts no lugar de um único caixa com a supervisão de apenas um funcionário, que poderá auxiliar os clientes com eventuais dúvidas.

 

É importante ressaltar, também, que um equipamento de Self-Checkout tem a mesma eficiência e segurança em relação ao PDV tradicional. Eles apresentam o mesmo sistema de frente de caixa instalado. Desse modo, a modernidade efetuará os mesmos registros necessários para as transições de vendas, como a leitura dos códigos de barras, pesagem de hortifrúti, pães, carnes, entre outros. Isso também depende da forma de trabalhar do supermercado, uma vez que nem todos concentram todas essas pesagens no terminal do caixa. Caso seja necessário, os Self-Checkouts têm balanças acopladas para realizar tais pesagens.

 

Quanto aos meios de pagamento, esse tipo de terminal, em sua maioria, não apresenta sistemas para pagamento em dinheiro. Há muitos dos seus exemplares que sim, mas, de forma geral, no Brasil eles exigem cartões. Isso faz com que o cliente precise utilizar os cartões de débito ou crédito, ou outros existentes no mercado, depende mais uma vez, das formas de pagamento que o supermercado aceita.

 

Além disso, os Self-Checkouts são desenvolvidos para que o cliente seja capaz de iniciar e finalizar a sua compra sem a necessidade de apoio.

autopagamento

Contudo, muitos supermercadistas ainda podem ficar receosos de implantar esse tipo de dispositivo. A ideia de confiar nos clientes em efetuar os registros dos produtos e, depois, toda a transação, amedronta. Isso pode ser solucionado com a presença de um funcionário no local. Esse profissional irá fiscalizar essas operações. Além disso, o gestor do supermercado pode verificar a possibilidade e a necessidade de ter câmeras acopladas ao terminal Self-Checkout, possibilitando o registro e o monitoramento em tempo real das transações.

 

Caso aconteça de durante o processo o cliente se deparar com uma divergência de produtos, ou mesmo a sua quantidade, o fiscal deve ser acionado para efetuar a verificação junto ao sistema. Outro ponto importante a se considerar é que o local, onde serão instalados esses equipamentos dentro da loja, deve ser pensado estrategicamente. Os clientes devem pagar e não passar novamente por prateleiras de produtos. Também é interessante que não sejam posicionados muito perto da entrada e saída das lojas.

 

Os Self-Checkouts prometem modernizar a experiência de compras no Brasil, realidade já presente nos EUA e na Europa. Especialistas apontam esse tipo de autoatendimento como um futuro inevitável, uma vez que os processos estão cada vez mais automatizados e prometem chegar com força em todos os ramos de negócios. Dessa forma, esse equipamento deixa os empresários otimistas para aumentar o faturamento. Esse novo tipo de atendimento, que não atuava anteriormente, está sendo mais uma fonte de lucro no ramo de supermercados.

  • Tags: