Como fazer cardápio digital: um guia completo SG Sistemas

Como fazer cardápio digital: um guia completo SG Sistemas

Se você está em busca de maneiras de modernizar e inovar no serviço e atendimento da sua food service, certamente considerou a adoção do cardápio virtual. Essa ferramenta reflete a demanda por maior agilidade e praticidade no momento de apresentação das opções e tem, de fato, caído no gosto dos consumidores.

Pensando nisso, reunimos as informações necessárias para compreensão do que é essa ferramenta, qual a sua importância, tipos e um passo a passo completo para conhecer como fazer cardápio digital em etapas simples. Ao final, você será capaz de criar uma solução que atenda às necessidades e expectativas do seu cliente. Ficou curioso? Então, continue a leitura e confira com o blog da SG Sistemas!

O que é o cardápio digital?

O cardápio digital é um instrumento amplamente utilizado por negócios do setor alimentício para a oferta de uma experiência de pedido mais moderna, dinâmica e completa. Com a utilização de um aplicativo ou aparelho, que pode ser do próprio cliente ou estabelecimento, a visualização dos pratos e sinalização do pedido ocorrem sem a necessidade de intervenção de um colaborador.

Versões ainda mais completas possibilitam uma incorporação com o sistema interno da empresa, transformando todo o processo de produção e entrega em um funcionamento estratégico e altamente inteligente.

Qual a importância de um cardápio digital para um negócio?

A versão virtual proporciona uma diminuição dos custos relacionados com a operação e manutenção de um cardápio comum. Antes, qualquer perspectiva de alteração, retirada e inserção de itens significava uma transformação completa e necessidade de reimpressão de todos os modelos.

Com a alternativa digital, as falhas diminuem e você tem à disposição uma ferramenta integralmente adaptável ao modelo e às necessidades da sua lanchonete, pizzaria ou restaurante. Além disso, viabiliza um acompanhamento assertivo dos pedidos e facilita a própria jornada do cliente, já que não envolve a necessidade de realização de longos cadastros. Podemos também elencar como importância e vantagens:

  • Facilidade de adaptação e flexibilidade a diversos tipos de empresas do segmento;
  • Bom feedback por parte dos clientes;
  • Melhora no gerenciamento e controle interno;
  • Disponibilização em mais de um idioma;
  • Interação com sistemas de gestão.

Quais são os tipos de cardápios digitais?

Contamos com as mais variadas versões e formatos na hora de selecionar o modelo de cardápio virtual que mais satisfaça as demandas e volume de atendimento. Conheça alguns dos principais:

  1. Cardápio em QR Code: por meio de um código de barras, o cliente tem acesso ao menu pelo próprio celular. Para este caso, o bônus é evitar o compartilhamento de materiais físicos entre os clientes — motivo pelo qual sua popularidade aumentou consideravelmente durante a pandemia;
  2. Em aplicativo: baixando o aplicativo do estabelecimento, terá acesso completo ao cardápio do restaurante. A vantagem do não compartilhamento de materiais também se aplica neste caso;
  3. Para tablet: muitos estabelecimentos se apropriaram de tablets ao invés do menu físico há alguns anos e, como benefícios, vemos a criação de uma experiência única, podendo atender com facilidade e em um dispositivo maior uma visualização inteligente das informações e descrições;
  4. Com integração em sistemas de gestão: Além de visualizar os produtos do menu, com o cardápio integrado a um sistema de gestão, é possível que o pedido, a solicitação do garçom e o fechamento da conta sejam feitos pelo próprio menu;
  5. Cardápio virtual: Os cardápios virtuais são um pouco mais simples, com visualização realizada por meio de redes sociais ou outras plataformas online;
  6. Menu board digital: Neste caso, a ferramenta é vista de forma compartilhada entre os consumidores, em telas fixadas na parede para que todos possam ver.

Para ler depois: Valor percebido pelo cliente: um conceito para dar atenção!

Como fazer cardápio digital? Veja 6 passos!

Agora que você conhece um pouco mais sobre essa evolução digital, é o momento de entender as melhores estratégias para saber como fazer seu cardápio digital:

1. Escolha um aplicativo específico para sua demanda

Atente-se para a escolha de um aplicativo de cardápio digital que entregue uma experiência completa. Nesse sentido, as versões via tablet costumam despontar como uma das favoritas dos consumidores, que não precisam se preocupar em estar ou não com os dispositivos pessoais na hora de ir até o estabelecimento.

Assim, você oferece um atendimento ágil, altamente personalizável e amplia até mesmo as possibilidades de aumento do número de pedidos e ticket médio, visto que a autonomia concedida faz com que seu cliente se sinta mais à vontade para aproveitar a estadia.

Imagine ainda a perspectiva de integração desse menu com o atendimento disponibilizado via redes sociais, WhatsApp e até mesmo em aplicativos de delivery, garantindo alcance a todo seu público-alvo. Isso é possível caso escolha um sistema de gestão especializado em restaurantes, lanchonetes e serviços similares, que também centraliza o controle das funcionalidades e administração das atividades, reposições e demais demandas.

2. Selecione com cuidado o que irá disponibilizar

Apesar da facilidade de incluir informações em um cardápio digital, o excesso de palavras, fotos, imagens e informações pode deixar seu cliente cansado só de olhar. Então, o menu precisa ser intuitivo, objetivo e atraente.

Analise ainda a ordem em que irá apresentar os dados, considerando o que será ofertado. Dê preferência para destacar os considerados carros-chefes do local, que podem ser escolhidos com base nos mais variados motivos: ampliação do ticket, disponibilidade em estoque, representação do conceito do local, entre outros.

3. Identifique todos os alimentos que serão ofertados

No momento do planejamento, detalhe pontos como:

  • Valor;
  • Ingredientes;
  • Picância;
  • Tempo de preparo;
  • Indicações diante de possíveis restrições alimentares;
  • Indicação de para quantas pessoas pode servir.

Com isso em mãos, escolha como sinalizar de forma compreensível e prática.

4. Dê atenção à identidade visual

A adição de imagens é sempre crucial na jornada do consumidor. Por isso, tenha como obrigatório a anexação de imagens e até mesmo vídeos dos pratos ofertados. Afinal, é preciso conquistar o seu público com o marketing sensorial. Invista em boas fotos, recorra a uma iluminação que valorize ainda mais cada ingrediente, dando sempre preferência à utilização de retratos autorais do seu menu.

Elabore ainda uma categorização dinâmica e pense em elementos complementares ligados ao uso da fonte e cores do seu negócio, sem esquecer de apontar dados como formas de pagamento, localização, horário disponível de atendimento e horário limite de solicitação de pedido.

5. Faça sugestão de upgrades e combos

Esse é um bom momento de sugerir complementações de pratos e até mesmo o upgrade do pedido, aplicando estratégias de ampliação de vendas. Na tática de cross selling, por exemplo, sugira bebidas e sobremesas para compor um combo. Já com o upsell é possível mostrar que, por uma pequena diferença de investimento, seu consumidor pode desfrutar de alimentos mais completos e de melhor qualidade.

6. Faça um acompanhamento constante

Não dê ao seu público a experiência de fazer um pedido e descobrir que aquele determinado item está temporariamente indisponível. E para que isso não ocorra, opte por sempre acompanhar de perto as ofertas disponibilizadas, atualizando promoções e informações que também possam ser pertinentes.

Ah, e antes de veicular todas as opções e categorias, lembre-se de revisar os valores. Qualquer falha pode causar um mal-estar e resultar até mesmo em perda de valores para o caixa!

Agora que você já sabe como fazer o cardápio digital, está pronto para modernizar e inovar os serviços e atendimento? E para continuar por dentro das principais dicas, orientações e temas relacionados aos food services, não deixe de acompanhar o nosso blog. Aproveite e confira o que são foodtechs e como revolucionam o mercado.

Nos vemos no próximo post!

Avalie esse post

Roger Toshi

Roger Toshi, apaixonado por tecnologia aplicada ao varejo, é formado em Direito pela Unicesumar, com MBA em Gestão de Pessoas e Liderança pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Desde 2017 atua como gerente Administrativo e de Marketing da SG Sistemas.

Deixe um comentário