09

abr
2018
O que precisamos saber sobre o frente de caixa

Nomenclatura muito utilizada no comércio varejista, a frente de caixa, como o nome já diz é onde os clientes finalizam as compras, ou seja, passam as mercadorias e pagam por elas. E quanto aos Pontos de Vendas (PDV)? É a mesma coisa? Nem sempre.

Ponto de venda pode ser entendido, de modo geral, como qualquer local onde o cliente obtenha o produto e realizando pagamento por ele. Entretanto, esse conceito, é um pouco mais abrangente nos dias de hoje, podendo significar outros locais dentro supermercado. Displays, estandes ou ilhas de exposição de mercadorias dentro de uma loja são considerados PDVs, assim como balcões e lojas em contêineres montados temporariamente podem ser considerados do mesmo modo pontos de vendas.

 

Frente de Caixa

Quando consideramos os PDV como frente de caixa de fato, devemos nos atentar a diversos elementos para o sucesso do funcionamento do supermercado. Uma vez que é no momento que o cliente está pagando por suas compras é que o objetivo principal da empresa está se concretizando, que é realizar vendas e obter lucro.

Este momento é crucial para a satisfação do cliente, uma vez que é nessa hora que ocorrerá a avaliação do atendimento por parte do cliente. Longos períodos de espera na fila ou mesmo na hora de registrar os produtos no caixa geram sentimentos de impaciência e descaso no cliente, resultando na perda do mesmo. Por isso, tanto os códigos de barra quanto preços corretos devem estar devidamente registrados no software de gestão do supermercado. Por isso, um sistema de gestão de qualidade é essencial para o seu negócio, bem como profissionais capacitados para utilizá-los.

PDV

Sistema de Retaguarda, o que isto significa?

Isso se referencia outro fator importante em relação à frente de caixa ou PDV, se trata do esquema chamado de função tripla. Visto que são desencadeados três tipos de processo quando a compra do cliente é finalizada.

Primeiramente, o cliente chega com as mercadorias desejadas no terminal/caixa, então se inicia o processo de registro das mercadorias no módulo do software de gestão, logo depois a máquina de pagamento de cartão ou outro dispositivo utilizado para efetuar pagamentos são acionados e, por último, com a impressora de DANFE (Documento Auxiliar da Nota Fiscal Eletrônica, que é a representação gráfica da Nota Fiscal Eletrônica) é acionada.

Logo após, as mercadorias são registradas no software de gestão para cumprir as exigências do SPED (Sistema Público de Escrituração Digital), funcionalidade muito importante, uma vez que realiza a integração do estoque e das finanças dentro do sistema.

Por último ocorre a integração das informações financeiras com o banco, comunicando a entrada e saída de valores no momento em que um pagamento é efetuado.

Dessa forma, é possível entender melhor as múltiplas operações realizadas quando é efetuada uma venda, por isso os sistemas de retaguarda são importantes, pois fornecem informações estratégicas dificilmente fornecidas sem um sistema de gestão completo.

Assim é possível identificar os movimentos diários de mercadorias, bem como identificar horários e dias do mês em que o pico de vendas é mais alto e o supermercadista pode elaborar estratégias para aumentar a margem de lucro.

Isto significa que o sistema de retaguarda apoia o processo de frente de caixa, trazendo maior segurança com identificação dos códigos de barras, controle de estoque, dados e etc.

Em suma a frente de caixa consiste no principal atendimento ao cliente e se concretiza o principal objetivo do supermercado que é a venda.

Já o sistema de retaguarda é o setor responsável pelo controle de identificação dos produtos, bem como o fluxo de vendas do mesmo (controla código de barras, leitores, impressoras térmicas ou via termo-transferência com uso de ribbon).

 

Leia também:

3 Soluções essenciais para sua empresa

ERP, o que é e para que serve

 

  • Tags: